Técnica 56 - Interfaces

Interface é aquilo que está entre as partes em conflito e as permite interagir para se buscar uma solução ao problema vivenciado. Tradicionalmente, a interface deveria ser feita pelo Judiciário, enquanto esfera jurisdicional do Estado, responsável pela solução das lides.

Além do Judiciário, existem atualmente outras interfaces privadas, de natureza subjetiva, que podem ser utilizadas para interagir entre as partes em conflito, tais como a negociação, a conciliação, a mediação e a arbitragem.

Porém, isso não para por aí, novas interfaces podem ser propostas para essa atividade, dentro da seara do Direito Digital. Dentre elas, a criação de softwares voltados à negociação e até, futuramente, responsáveis pela substituição da atuação humana na resolução objetiva de conflitos.

Um outro campo de interface é a chamada "blockchain", tecnologia digital essencial para o desenvolvimento de novas formas de contratação, cujo espaço de resolução de conflitos esteja presente no meio digital e fora da jurisdição dos Estados nacionais.

Ao optar-se um tipo virtual e objetivo de interface, a garantir está no cumprimento efetivo do que foi contratado, o que pode vir a ser conferido por algum tipo de "curador da web", responsável por atestar e referendar a decisão emitida digitalmente.