Técnica 31: Vizualização do Acordo

A visualização é uma técnica meditativa, muito utilizada nas áreas em que a atuação do indivíduo visa resultados, possibilitando a concentração e a preparação para um melhor desempenho, como já foi comprovado em vários estudos sobre o assunto. Na área da mediação, a visualização do acordo pode ser usada pelo mediador, assim como pelas partes, antes da audiência.

Esse treino mental prévio não implica em resultados certos, mas sim, que, segundo as pesquisas, nos casos em que foi utilizada, acabou por gerar melhores escores, em comparação aos que não fizeram tal condicionamento, nas mesmas condições.

O importante, é a predisposição da mente ao acordo, pelo direcionamento positivo ao melhor para todos. Nesse sentido, quem visualiza não deve buscar somente o melhor para si, deve focalizar mentalmente uma situação que atenda aos interesses de todos os envolvidos e permita a resolução pacífica da controvérsia.

Durante a visualização, procure focar-se no positivo, no acordo desejado. Não se deve, nesse sentido, utilizar o tempo dessa meditação para evocar e remoer os ressentimentos havidos. Isso será perda de tempo. Se não há como se esvaziar a mente e evitar tais pensamentos negativos, o melhor é encerrar a meditação e parar de pensar no assunto, pois isso pode gerar mal-estar, ansiedade e predisposição negativa à audiência.

O caminho é pensar em aspectos positivos. Primeiro, procure focar aspectos positivos da outra parte (beleza, elegância, gentileza, educação, família) e fixe nessas coisas boas, que transcendem o problema havido. Depois, comece a visualizar como você se sentirá bem após o acordo havido, com o encerramento da lide e libertação da pressão emocional sobre a desavença.

Ao mediador, o importante é visualizar o melhor para as partes, como deseja que a audiência flua positivamente, num ambiente de concórdia, respeito mútuo, urbanidade, até chegar ao acordo final, libertador do conflito.

Faça isso antes da audiência e procure gerar um clima de bem-estar e pacificidade íntima, para ativar os circuitos mentais, que possam contribuir para o desenvolvimento do acordo e tenha a certeza de que, uma vez ativados, eles atuarão ao seu favor e contribuirão para o melhor de todos.