O Papel das Lágrimas na Solução de Controvérsias

As lágrimas são o mecanismo neurofisiológico, ligado diretamente à liberação de uma tensão emocional. As glândulas lacrimais está diretamente ligadas ao cérebro por meio do sistema nervoso autônomo parassimpático, o que dá indícios claros de sua função em manter o organismo em funcionamento equilibrado e repouso. Logo, em oposição à tensão, que coloca o sistema nervoso autônomo simpático em prontidão.

Como a ativação da produção de lágrimas depende dessa ativação intensa do sistema nervoso autônomo parassimpático, é natural que o corpo relaxe após a ocorrência do choro, colaborando para o alívio da tensão mental e emocional existente.

Assim, as lágrimas são um sistema de defesa do organismo, para controlar uma alteração e maximização da tensão interna. Desse modo, podem colaborar para a resolução de controvérsias pois, uma vez ocorrendo, indicam o externalização da tensão e o caminho para um relaxamento natural.

Como o conflito reflete esse momento de tensão, onde toda o foco do indivíduo está no problema existente, exigindo que toda a sua cognição e controle emocional estejam em ação, é muito provável a ocorrência de lágrimas no curso de uma audiência de mediação, especialmente na área familiar.

Logo, pode ser considerada uma forma de catarse, nesse sentido, e deve ser considerada como uma ocorrência natural, cabendo aos mediadores e conciliadores estarem preparados para a sua ocorrência. O ideal é permitir um tempo, a partir de sua ocorrência, para que a pessoa se reequilibre, estabelecendo um intervalo nos trabalhos de mediação, caso seja necessário.