Técnica 03: Doação não interessada

CASE:

         Muitas vezes aqui se confunde o conceito de bondade com o de gratidão. No case agora apresentado isso pode ser bem evidenciado.

         Trata-se de uma dívida agrária assumida por agricultor do oeste do Paraná, sem seguro de safra que, após uma grave seca na área, colocou em risco todo o seu patrimônio em razão da perda total da safra esperada.

         Essa situação foi noticiada em programa jornalístico nacional, na qual o lavrador e sua família foram entrevistados, mostraram sua plantação de grãos totalmente destruída pela seca e a perda considerada.

         Como a propriedade tinha sido dada em garantia do empréstimo, era uma questão de tempo para a execução da dívida pelo inadimplemento certo, em decorrência da seca, sem estipulação providencial do seguro necessário.

         Ao assistir a essa reportagem, um agricultor da cidade de Sorriso, que vendera no passado suas terras no Oeste do Paraná e se aventurara a colonizar o interior do estado do Mato Grosso, muito satisfeito com recorde da colheita de soja obtido naquele ano, já que, enquanto não chovia no Sul, o Norte fora abençoado com toda a água necessária, decidiu pagar aquela dívida.

         Esse agricultor ligou para a rede de televisão e pediu informações sobre a reportagem divulgada e o endereço da família entrevistada. Fez contato telefônico com o banco, obteve o valor da dívida e, de maneira espontânea, fez o pagamento diretamente ao credor, quitando o financiamento.

ANÁLISE:

         A doação é um tipo de contrato gratuito unilateral, já que atribui onerosidade a apenas uma das partes contratantes e, com isso, também é classificado enquanto contrato benéfico, no qual, por seu turno, o dispêndio patrimonial é totalmente feito pelo doador.

         Feita por um terceiro não interessado, isto é, sem qualquer repercussão patrimonial para aquele que pagou a dívida, pode ser considera como uma técnica de extinção das controvérsias.

         Aqui o cerne da doação leva em consideração as qualidades e motivações do doador, para o qual muitas vezes o ato de bondade está revestido, na essência, num ato de gratidão pela vida e por todas as conquistas que esta lhe favoreceu.

         Dentro de um conceito oriental de lei do cosmos, o retorno é um balanceamento necessário requerido pela vida, expresso pela gratidão daquele que recebeu mais do que doou em todo o percurso.

         Mas essa é somente uma das fundamentações passíveis de explicar conduta doadoras e pacificadores de controvérsias na humanidade, pois esse é um arquétipo percebido em grandes personalidades na história, especialmente naquelas dotadas de um sentido maior para a existência.

         O importante é que, enquanto técnica, a doação de terceiro não-interessado, sigilosa ou não, atua diretamente sobre o objeto do litígio, extinguindo aquela controvérsia imediatamente.